BFA tem crédito para dar

BFA tem crédito para dar

O Banco de Fomento Angola (BFA) tem “capacidade financeira ilimitada” para apoiar qualquer projecto com viabilidade económica, assegurou sexta-feira no Luena o presidente da comissão executiva daquela instituição.

Jorge Ferreira disse à imprensa, depois de um encontro com o governador do Moxico, Gonçalves Muandumba, destinado a avaliar o investimento naquela província, que por ser sólido o banco não tem limites para emprestar.
“O BFA é um banco muito sólido e com uma grande capacidade de capital e liquidez, pelo que não temos quota para fazer crédito. Estamos interessados em apoiar os projectos apresentados que tenham viabilidade”, declarou o responsável.
No Moxico, apontou, o BFA considera o sector da agricultura como “muito importante”, assim como a exploração do mel, arroz, madeira e produção de peixe.
Jorge Ferreira afirmou que, do ponto de vista conceptual, o BFA quer contribuir para uma dinamização das actividades económicas locais, que seja suficiente para a substituição das importações e a satisfação do consumo interno.
Apesar da tendência para a elevação da carteira de crédito, ressalvou, o banco tem em alta conta a garantia da integridade dos depósitos dos clientes. “Estamos a trabalhar para que muitos mais milhões de angolanos possam ser clientes bancários”, afirmou o responsável.

BPC no Lobito
Um centro de empresas e uma agência do Banco de Poupança e Crédito (BPC), a terceira no município, foram inaugurados sexta-feira, no Lobito, pelo administrador executivo daquela instituição financeira Alcides Safeca.
O responsável referiu que o centro de empresas vai atender 770 entidades colectivas cadastradas com uma equipa de 14 trabalhadores, enquanto a agência bancária, com nove funcionários, estará focada no atendimento aos clientes particulares, com maior realce para os reformados.
Os serviços inaugurados visam diminuir as longas filas que se registam nos balcões do banco no Lobito, via de regra formadas pelos funcionários públicos com salários ali domiciliados.
O antigo vice-governador de Benguela, Gika Morais, manifestou satisfação pela dimensão dos serviços e enalteceu o conselho de administração do BPC pela iniciativa, que contribui para o desenvolvimento do Lobito.

Fonte: Jornal de Angola

Publicidade

Fechar
Fechar